• iCS - Clima e Sociedade

Qualidade do ar é o tema do ano

ONU Meio Ambiente promoveu ações para #CombaterAPoluiçãoDoAr em todo o Brasil para celebrar o Dia Mundial do Meio Ambiente. Jornal Nacional publicou com exclusividade os resultados da pesquisa do Instituto Saúde e Sustentabilidade (ISS)


“Na semana dedicada ao meio ambiente, um estudo revelou que a maioria dos estados brasileiros não monitora a qualidade do ar. Confira o conteúdo do Jornal Nacional na íntegra!


Respirar a fumaça liberada por veículos, fábricas, queimadas é uma rotina fatal para muitos brasileiros. A poluição do ar mata 50 mil pessoas por ano no Brasil, fora as que têm a saúde abalada pela fumaça.


Seria bem diferente se o Programa Nacional de Controle da Qualidade do Ar, criado há 30 anos, estivesse funcionando. Pelas regras do Pronar, todos os estados deveriam ter sistemas de monitoramento e alerta para a população.


O Jornal Nacional obteve com exclusividade os resultados de uma pesquisa do Instituto Saúde e Sustentabilidade e do Ministério Público Federal que mostra o abandono desse programa. Em todo Brasil, de acordo com o estudo, existem apenas 319 estações de monitoramento ativas, quase todas na Região Sudeste. E na maioria dos casos essas estações não medem a presença das substâncias mais nocivas à saúde. Poucas cidades do Brasil têm equipamentos para medir a qualidade do ar. Na verdade, apenas seis estados e o Distrito Federal possuem programas de monitoramento da qualidade do ar, mas somente dois estados, São Paulo e Espírito Santo, disponibilizam em tempo real informações sobre a quantidade de poluentes no ar que se respira”.


Veja a continuação do texto na matéria completa do Jornal Nacional:



O Dia Mundial do Meio Ambiente celebrado no dia 5 de junho trouxe como tema, neste ano, a “Poluição do Ar”, uma questão crítica tanto para o meio ambiente quanto para a saúde humana. Com o objetivo de unir esforços para combater este mal, que atinge todas as pessoas, mas é particularmente prejudicial às crianças e mulheres grávidas, a ONU Meio Ambiente no Brasil promoveu uma série de atividades em todo o território nacional durante a Semana do Meio Ambiente, entre os dias 1 e 9 de junho. No período, o Programa realizou lançamentos, ações de engajamento digital, dialogou com vários setores da sociedade e apoiou eventos para #CombaterAPoluiçãoDoAr.


Nove em cada dez pessoas em todo o mundo respiram ar poluído. As emissões nocivas são responsáveis por uma em cada nove mortes em nível global e por sete milhões de mortes prematuras por ano. Só no continente americano, mais de 300.000 pessoas morrem anualmente devido à má qualidade do ar. Alguns poluentes atmosféricos também estão diretamente relacionados ao aquecimento global, contribuindo para o desenrolar de uma crise climática.


Para a Representante da ONU Meio Ambiente no Brasil, Denise Hamú, o Dia Mundial do Meio Ambiente é uma oportunidade única para alertar pessoas, governos e organizações sobre esta ameaça silenciosa. “Muitas vezes, não vemos os poluentes que estão no ar. Mas esta forma de poluição está matando tanto que já é chamada de ‘o novo tabaco’. A escolha do tema para guiar as ações neste ano é uma oportunidade para disseminar informações e estimular mais e melhores políticas públicas pela qualidade do ar, em todas as esferas – global, nacional, estadual e municipal. Também é um chamado para mais investimentos em tecnologias verdes e mudanças de hábito no dia a dia de cada cidadão”.


Foco em mobilidade urbana


Cerca de 76% da população brasileira vive em cidades e a tendência de aumento da urbanização nas próximas décadas coloca a discussão sobre cidades e mobilidade urbana no coração do desenvolvimento sustentável. Em parceria com a Associação Nacional de Empresas de Transportes Urbanos (NTU), a ONU Meio Ambiente está promovendo, durante todo o mês de junho, a ação “Deixe o carro em casa = Deixe a poluição em casa”. A ideia é estimular, por meio de cartazes e banners em ônibus de todo o Brasil, a reflexão sobre o que cada cidadão pode fazer para reduzir a poluição do ar estimulando, ao mesmo tempo, o uso do transporte coletivo para deslocamentos nas cidades.


**A segunda parte deste texto faz parte de uma adaptação de um informativo publicado no site da ONU Meio Ambiente.

iCS - Instituto Clima e Sociedade 2020 | Todos os direitos reservados