• iCS - Clima e Sociedade

Marco Regulatório em pauta

Seminário que finaliza o Projeto Mercados de Carbono, do CEBDS, recebe o professor Ronaldo Seroa da Mota e o deputado Marcelo Ramos, proponente do PL 528, além de empresários


O Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável (CEBDS) realizou o Seminário Final do Projeto Mercados de Carbono com o lançamento do Marco Regulatório Respectivo. Após a abertura de Marina Grossi, presidente do CEBDS, o evento seguiu com a apresentação de Ronaldo Seroa da Mota, professor de Economia da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), sobre o Marco Regulatório.


“Estamos falando, nos documentos que o CEBDS está lançando, do mercado mandatório no caso do Brasil, que é o mercado compulsório. Este mercado é diferente do mercado voluntário, será diferente do mercado do Artigo 6 (que é uma transação de créditos entre países ou empresas). Este aqui é um mercado como tem no México, na Europa, na Coréia, ou como subnacional na Califórnia, onde se tem um orçamento de carbono, um limite máximo de emissões que os setores regulados podem emitir durante um ano, e distribui-se direitos de emissão gratuitamente (para proteção de competitividade) ou leiloa”, diz.

A mediação do debate, que também incluiu o vice-presidente de Relações Governamentais, Ciência e Sustentabilidade da Bayer, Alejandro Girardi, e a Diretora-presidente adjunta da Neoenergia, Solange Ribeiro, foi de Gustavo Pinheiro, coordenador do portfólio de Economia de Baixo Carbono do iCS. Marcelo Ramos, deputado federal pelo estado do Amazonas e proponente do Projeto de Lei 528, que sugere a regulação do mercado brasileiro de carbono, também teve importante participação.


A íntegra está aqui.