• iCS - Clima e Sociedade

Fracasso em leilão de óleo e gás

A 17ª Rodada de blocos de exploração de óleo e gás da ANP foi um fracasso, com apenas duas empresas interessadas em 5 dos 92 ativos à disposição; pressão da sociedade civil ajudou


A matriz energética mais limpa, indispensável para a redução das emissões de gases de efeito estufa, tem dois caminhos: o aumento do uso de fontes renováveis e a redução de uso de combustíveis fósseis. Pois há indícios de que investidores entenderam o recado. O Leilão da Agência Nacional Nacional do Petróleo (ANP), 17ª Rodada de blocos de exploração de óleo e gás, foi um fracasso. Apenas duas empresas foram atraídas e negociaram cinco dos 92 ativos à venda, o que tornou este o leilão sob regime de concessões mais fraco da história do país, tanto em número de participantes, quanto de áreas arrematadas.


Para completar, áreas de exploração que estavam sendo objeto são sensíveis ambientalmente, o que mostra claramente a determinação do governo de colocar o licenciamento ambiental em segundo plano para a exploração. Com blocos mais distantes da costa, a 17ª rodada foi alvo de protestos de ambientalistas contrários à atividade petroleira em locais próximos de importantes áreas de preservação do país. Alguns donatários e ex-donatários do iCS, como Arayara, foram organizações que se mobilizaram e realizaram protestos.


Confira reportagens do O Globo, Nexo Jornal e Valor.


Crédito: Agência Brasil