DESAFIOS DO CLIMA

Um clima estável garante ecossistemas saudáveis, desenvolvimento econômico e bem-estar social

A estabilidade do clima está em risco e somos nós os maiores responsáveis por este fenômeno. O aquecimento do planeta é consequência das atividades humanas que consomem combustíveis fósseis e emitem dióxido de carbono e outros gases responsáveis pelo efeito estufa. O gráfico abaixo mostra as temperaturas globais médias anuais desde 1980, assim como a concentração de dióxido de carbono durante o mesmo período.

Diagrama A: Temperatura Média Global e Concentração de Dióxido de Carbono

A mudança climática já está afetando os ecossistemas, a economia e as comunidades em que vivemos. Ainda é possível evitar maiores impactos, mas é preciso uma mudança radical de atitude e dos modelo de produção e consumo

iCS apoia a meta de 1,5°C estabelecida no Acordo de Paris. Embora esta meta seja considerada um limite “seguro”, certamente já podemos esperar consequências significativas do efeito estufa, tais como derretimento de camadas de gelo, elevação dos mares, oceanos mais ácidos, e frequentes eventos climáticos extremos. Esses eventos afetam o abastecimento de água e a produção de alimentos, prejudicam a atividade econômica e desestabilizam comunidades, principalmente as mais pobres (que são as mais vulneráveis). A tabela a seguir ilustra alguns efeitos resultantes do aumento das temperaturas médias globais.

A mudança climática é causada pelo aumento de dióxido de carbono e outros gases de efeito estufa na atmosfera. É um problema global e multifacetado

O combate às alterações climáticas depende da nossa capacidade de reduzir as emissões globais de dióxido de carbono e outros gases de efeito estufa. No entanto, estas emissões – essencialmente produzidas pelo consumo de combustíveis fósseis – estão profundamente relacionadas às atuais infraestruturas e tecnologias, aos sistemas econômicos e ao modelo de produção e consumo existente. Construir um próspero mundo de baixo carbono – o caminho para minimizar os piores impactos da mudança climática – exige transformações globais. O quadro a seguir apresenta o percentual de gases de efeito estufa produzidos em diferentes regiões e aponta a natureza do desafio a ser enfrentado.

Diagram C: 2010 Greenhouse Gas Emissions: geographilly & sectorally dispersed

Precisamos reduzir as emissões de gases de efeito estufa, melhorando a eficiência energética e ampliando o acesso a fontes de energia renováveis

A energia é um insumo fundamental para o desenvolvimento social e econômico. Quando privadas de energia, as comunidades são frequentemente carentes de benefícios econômicos e sociais. As sociedades devem enfrentar, ao mesmo tempo, a pobreza energética e as mudanças climáticas. Enquanto esforços vitais estão sendo realizados a fim de combater a pobreza global, devemos maximizar a energia proveniente de fontes mais sustentáveis, baratas e de baixo conteúdo de carbono.

DIAGRAMA D: Pessoas sem acesso a modernos serviços de energia (Em milhões)

É tempo de agir!

Podemos evitar as consequências das mudanças climáticas agindo com urgência e determinação no intuito de transformar as práticas que produzem emissões de gases de efeito estufa. Embora tenhamos a exata noção da origem dessas emissões, sabemos também que não existe uma fórmula mágica para reduzi-las. Como mostra o cenário abaixo, para que seja possível impedir o aumento da temperatura global em mais de 1,5 ˚C, serão necessárias ações, inovações e transformações em todos os setores. Maior vontade política, mudanças rápidas e o cultivo de sumidouros naturais de carbono podem encurtar mais rapidamente a distância existente entre nossa situação atual e o limite do aumento da temperatura global a 1,5˚C.

DIAGRAMA E: Cenário de possíveis reduções com o objetivo de limitar as emissões de gases de efeito estufa

Caminhos em direção a um futuro de baixo carbono: políticas públicas eficazes, mobilização da sociedade civil e inovação empresarial

Reduzir a velocidade e a magnitude dos impactos da mudança climática exigirá vontade política, transformações econômicas e apoio da população. A vontade política do governo – local, nacional e global – é fundamental para esse esforço. A política pública, ao estabelecer padrões, normas, incentivos e oportunidades de investimento, direciona os mercados e as indústrias. A sociedade civil cobra e monitora políticas de baixo carbono que aumentam o bem-estar e a igualdade social. A inovação empresarial cria novos produtos, processos e mercados, motivando e abrindo caminho para novos avanços.

 

O gráfico a seguir mostra a rápida progressão dos investimentos em energia eólica e solar na década passada. Este crescimento é resultado de eficiente esforço que inclui a adoção de políticas de apoio, o aumento de investimentos em energia renovável e a aceitação, pelo consumidor, de novas práticas e tecnologia.

DIAGRAMA F: Tendência de investimento e capacidade de energias eólica e solar

A filantropia tem um papel fundamental na transição para um mundo próspero e de baixo carbono

A filantropia tem sido de grande ajuda na tentativa de evitar avanços ainda maiores das mudanças climáticas. Suas colaborações incluem: construção e participação em redes de atores, apoio a pesquisas, avaliação de políticas e projetos, formação e capacitação de stakeholders e formuladores de políticas públicas, além do trabalho de sensibilização e conscientização da população e mobilização das instituições. Mas esse esforço não é suficiente frente ao desafio que se apresenta diante de nós, uma vez que a humanidade ainda não encontrou os caminhos para solucionar a crise climática. Caso ela não consiga ser controlada, ganhos sociais conquistados nas últimas décadas estarão comprometidos. Aí reside a importância fundamental da filantropia, cujo maior objetivo é colaborar para uma sociedade melhor, contribuindo para tal com maiores recursos a fim de garantir um futuro próspero. Hoje, no entanto, a filantropia ainda representa pequena parcela dos montantes doados para a mitigação e adaptação das mudanças climáticas.

DIAGRAMA G: Filantropia está muito aquém de outros setores

iCS - Instituto Clima e Sociedade 2019 | Todos os direitos reservados